O fim de fevereiro marca a hora da verdade no transporte coletivo de Curitiba, quando a prefeitura terá de se debruçar sobre números para definir qual será o aumento da passagem de ônibus.

A tarifa está congelada em R$ 4,50 desde 2019. Por determinação do prefeito Rafael Greca, em 2020 e 2021 não houve o reajuste anual por causa da crise da pandemia. Mas desde o ano passado a Urbs – empresa municipal que gerencia a frota – admite que em 2022 não tem mais como segurar a passagem no valor atual.

Entenda abaixo o quebra-cabeça que a Urbs terá que resolver para chegar ao reajuste do ônibus.

Por que não dá mais para segurar a passagem a R$ 4,50?
O que manteve a passagem a R$ 4,50 desde o início da pandemia foi o subsídio emergencial pago pelo próprio município para que o sistema não quebrasse, já que o volume de passageiros na crise sanitária chegou a despencar 80% desde 2020 e houve ainda o impacto da inflação nos custos de insumos, em especial combustíveis. A prefeitura já anunciou que não terá como manter o subsídio, que termina agora no fim de fevereiro e que gira entre R$ 15 milhões e R$ 20 milhões por mês.

O subsídio chegou a ser suspenso em 2021, quando a frota rodou sem a ajuda em julho, agosto e setembro. Mas, diante do rombo nas contas ainda causado pelo baixo volume de passageiros, a prefeitura correu à Câmara Municipal pedir prorrogação da ajuda financeira até o fim de fevereiro.

Para quanto vai a passagem?
Por enquanto, a prefeitura prefere não falar qual será o reajuste na passagem, já que aguarda negociações de data-base das empresas de transporte e do sindicato de motoristas e cobradores de ônibus para definir o valor.

No entanto, o presidente da Urbs, Ogeny Maia Neto, vem defendendo que o aumento seja apenas o suficiente para que o usuário possa pagar. Do contrário, o reajuste pode afastar ainda mais os passageiros do sistema, já que o poder de compra do brasileiro vem se reduzindo com o avanço da inflação nos últimos meses.

Vale lembrar que mesmo com o fim do subsídio e o reajuste a prefeitura vai continuar injetando dinheiro no transporte coletivo, mas pelo modelo de antes da pandemia. Com o fim do aporte mensal, a prefeitura deixa de pagar o valor do quilômetro rodado e volta a pagar a diferença entre o custo real da operação, que é a tarifa técnica, menos o valor da passagem paga na catraca.

Quanto está a tarifa técnica hoje?
Em março, com o fim do subsídio, volta o pagamento da diferença da tarifa técnica. A Urbs projeta o valor da tarifa técnica para março em R$ 7. Ou seja, se o subsídio já tivesse acabado, hoje o passageiro pagaria os R$ 4,50 da passagem e a prefeitura adicionaria mais R$ 2,50 para fechar a conta do custo real de R$ 7 da operação.

Porém em 2022 o usuário terá de dar uma contrapartida maior para que essa diferença de R$ 2,50 paga pelo município caia. Exatamente essa diferença será o reajuste da tarifa. Lembrando que nos meses em que a frota rodou sem subsídio em 2021 a tarifa técnica bateu em R$ 8,11, quando a prefeitura chegou a bancar R$ 3,61 da diferença dos R$ 4,50 pagos pelo usuário.

Qual a meta da Urbs de movimentação de passageiros nos ônibus?

Com a queda nos índices de contágio de Covid-19, a Urbs almeja alcançar 80% dos 756 mil passageiros diários de antes da pandemia. Ou seja, a meta é chegar a 604,8 mil passageiros por dia.

Em dezembro, o sistema chegou a 70% do número de passageiros de antes da pandemia. Mas a quantidade voltou a cair. Até aqui em fevereiro a média está em 500 mil passageiros por dia, o equivalente a 65% do volume de antes da pandemia.

Sobre a expectativa de se chegar à meta de 80% da pré-pandemia, a Urbs no entanto admite que vai depender justamente do cenário econômico, com recuperação dos índices e aumento no número de empregos.

O sistema de transporte de Curitiba pode ter ajuda do governo do estado?

Prefeitura e governo negociam a renovação do convênio para custear a integração da capital com a Região Metrolitana de Curitiba (RMC). Em 2021, o estado, através da Coordenação da RMC (Comec), repassou R$ 40 milhões à Urbs no convênio que acabou em janeiro. A prefeitura espera aumentar esse repasse para tentar amenizar o impacto dos passageiros da RMC que circulam pela capital.

O transporte coletivo de Curitiba pode ter ajuda do governo federal?

O prefeito Rafael Greca chegou a ir a Brasília no fim do ano passado pedir que o governo federal socorresse o transporte coletivo não só de Curitiba, mas de outros municípios. Como porta-voz da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) no encontro com o presidente do Congresso, o deputado federal Arthur Lira, Greca pediu que a União bancasse o custo da gratuidade de ônibus para idosos.

“O problema, para ser resolvido de maneira mais rápida, depende de que a União assuma a gratuidade dos idosos definida pelo Estatuto do Idoso, e transfira os valores aos municípios como recurso orçamentário”, defendeu Greca em Brasília.

Em 2021, 8,15% dos passageiros nos ônibus de Curitiba foram idosos com isenção na passagem, totalizando perto de 8,3 milhões de passagens até novembro do ano passado. De acordo com a prefeitura, esse fluxo custou R$ 67 milhões bancados pelo município.

O prefeito de Curitiba defendeu que o governo federal crie um auxílio emergencial de R$ 5 bilhões para o transporte público de cidades médias e grandes como contrapartida das gratuidades. Além do custo da isenção para idosos, Greca também pediu à União desoneração do imposto PIS/Confins sobre combustível, que representa perto de 30% do custo operacional dos ônibus.

Clique aqui e assine

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA