O último aumento dos combústiveis — que pode ter acontecido enquanto você lia esta frase — está mexendo com a vida de todo mundo. Frentistas, que sempre costumam perguntar “comum ou aditivada”, pararam de perguntar se o cliente quer a segunda opção por medo de serem agredidos.

Em alguns lugares, a aditivada está custando 10 reais o litro.

Certos postos estão tentando evitar confusão na hora do pagamento — exigem atestado de sanidade em dia do cliente antes de abastecer com a aditivada. Se não estiver com domínio das faculdades mentais, o frentista obedece sua vontade.

A rejeição da gasolina aditivada já é tão grande que pode empatar com a do presidente Bolsonaro.

O mercado já deu sua opinião sobre quando a situação do Brasil — que voltou a ter juros de quase 12% ao ano, vive inflação, estagnação e desemprego — vai melhorar: “Só quando a sociedade se organizar e pedir o impeachment do Lula em 2024”, disse um investidor da Faria Lima.

Clique aqui e assine

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA