Dois vereadores são acusados de uso indevido de veículo oficial

12

O presidente da Câmara de vereadores de Curitiba, Tico Kuzma (Pros), enviou para a investigação da Corregedoria da Casa duas situações envolvendo a possível utilização irregular de veículos oficiais. O primeiro caso foi relacionado ao vereador Renato Freitas (PT), filmado na região central da capital na última quarta-feira, acompanhado da mãe e da filha. O outro caso se refere ao veículo ligado ao gabinete da vereadora Carol Dartora (PT), filmado na rodovia que liga Curitiba à Ponta Grossa. Segundo o presidente da casa legislativa, no final do ano passado, os veículos foram adesivados com os dizeres: “Câmara Municipal de Curitiba – Uso exclusivo em serviço”, para trazer mais transparência ao uso dos recursos públicos.

Foto: Rodrigo Fonseca / CMC

Apesar de ser permitido o uso fora da cidade, o presidente da Câmara explicou que o caso de Carol Dartora foi enviado também à Corregedoria para atender os questionamentos recebidos por ele nos canais digitais. Renato Freitas se pronunciou nas redes sociais sobre o caso.

Segundo o vereador, ao entrar no carro, ele foi abordado por uma pessoa já filmando e questionando o que ele estava fazendo ali. O vereador também indicou que existe um tratamento diferenciado com a oposição da casa.

Em nota, Carol Dartora disse que estava em atividade parlamentar em Maringá, onde participou de rodas de diálogo com movimentos populares sobre políticas públicas para as pessoas LGBTQIA+, para a população negra e dos direitos das mulheres.

Segundo a vereadora, as alegações demonstram uma possível tentativa de criminalizar a atividade política, visto que não há irregularidade, que o uso do veículo é permitido em todo o estado e que os denunciantes são opositores declarados de pautas e do partido que ela representa.

De acordo com o Código de Ética da Câmara, se ficar comprovado o uso irregular dos veículos, os vereadores podem ser punidos, inclusive com a perda do mandato.

Clique aqui e assine

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA