Três dias antes do final do mês, Curitiba registrou menos de um quinto da chuva esperada, em relação à média histórica. Até esta quinta-feira (28), a capital paranaense teve o acúmulo de 17,6 milímetros. O tempo seco é diferente do registrado em anos anteriores, quando a média chegava aos 92 milímetros no mês.

O cenário é um efeito do fenômeno La Niña, conforme explica a meteorologista do Simepar, Lidia Mota.

A média dos reservatórios que abastecem Curitiba e a região metropolitana está em 89,17%. Segundo a Sanepar, o volume é considerado dentro da média histórica. Por isso, a companhia descarta a chance de rodízio. A chuva deve voltar à capital paranaense nesta sexta-feira (29), quando há a previsão de chegada da primeira frente fria do inverno.

O bloqueio atmosférico foi o responsável pelas temperaturas mais elevadas no mês de julho. Curitiba e a região metropolitana têm previsão de chuva e temperaturas baixas nesta sexta-feira (29).

Clique aqui e assine

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA