Frentista haitiano é agredido durante o trabalho; também sofreu racismo e xenofonia

1166

Na madrugada dessa terça-feira (26), um frentista haitiano foi agredido em quando trabalhava em um posto de gasolina em Curitiba. Além dos xingamentos e agressão física, o rapaz sofreu racismo e xenofobia por partes dos agressores.

A vítima estava sozinho cobrindo o turno da madrugada, quando dois homens em uma moto chegaram no posto e começaram as fazer barulhos inconvenientes com o veículo, atrapalhando o atendimento no local.

Após pedir para que parassem com os barulhos, os agressores proferiram vários xingamentos sobre a cor da pele do trabalhador e disseram a ele que “aqui (Brasil) não é o seu país”.

O frentista relatou que ficou em estado de choque após ser agredido e com medo das ameaças de morte proferidas pelos dois homens.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA