Droga zumbi: entenda por que a K9 é conhecida como ‘supermaconha’

598
Clique aqui e assine

As drogas K, que ganham espaço no país e se popularizam em locais como a Cracolândia, em São Paulo,

As drogas K, que ganham espaço no país e se popularizam em locais como a Cracolândia, em São Paulo, ficaram conhecidas como “supermaconha”. No entanto, não se trata de uma derivação da planta Cannabis, e tal associação desconsidera o potencial destrutivo da droga, que é cem vezes superior ao da maconha, segundo especialistas ouvidos pelo

A associação indevida entre os narcóticos está relacionada ao fato de que as drogas K, como a K2, a K4 e a K9, compostos sintéticos desenvolvidos em laboratório, possuem efeitos semelhantes aos do THC (tetra-hidrocanabinol), a principal substância psicoativa encontrada nas plantas do gênero Cannabis, e atingem o mesmo receptor do cérebro que a maconha comum.

Além disso, de acordo com a especialista em farmacologia e mestre em farmácia Maéli Civa, elementos que não são totalmente conhecidos acabam sendo misturados a plantas alucinógenas e a outras drogas sintéticas, como o ecstasy. Assim, os efeitos são muito potentes e duradouros.

Harif ainda afirma que a popularização do termo “supermaconha” para se referir às drogas K pode ter sido uma estratégia disseminada por traficantes, com o objetivo de fazer com que os usuários de maconha experimentem a nova droga.

“Quem faz uso da planta pode pensar que se trata de uma substância mais prazerosa, mas são compostos deletérios que podem levar à morte”, afirmou.

Tipos de droga
As drogas K se dividem em K2, K4 e K9. As diferenças dizem respeito especialmente à apresentação e a outras substâncias associadas à droga sintética feita em laboratório. Quando ela é borrifada em papel, é chamada de K2; quando aparece junto com tabaco, para o fumo, é conhecida como K4; e, quando é borrifada em porções de outras drogas, que podem ser cocaína ou maconha, é chamada de K9. Esse uso em conjunto com a maconha é outra associação que pode ter levado a droga a ser chamada de “supermaconha”.

Efeitos das drogas K

O psiquiatra Harif Bakri explica que os receptores atingidos pelos compostos das drogas K são os responsáveis pelas percepções sensíveis do organismo. Uma vez afetados, podem desencadear alucinações visuais, auditivas, olfativas, gustativas e táteis.

A mestre em farmácia Maéli Civa diz que as substâncias das drogas K que tentam imitar o THC da maconha possuem efeitos duplos: “Algumas pessoas podem ter quadros de euforia, alucinação e paranoia, com alteração de consciência; e outras podem ter sonolência, tontura, relaxamento muscular, ansiedade e convulsões severas”.

As ações dos entorpecentes são devastadoras, podem durar horas e, até mesmo, levar à morte. Conforme o psiquiatra Fabio Scaramboni, a dependência das drogas K é imediata, e já no primeiro uso as consequências são gravíssimas, principalmente no caso de crianças que ainda estão em fase de desenvolvimento das funções cerebrais.

O Governo de São Paulo adverte que os efeitos da K9 podem ser bem piores e mais fortes do que os do crack. A Secretaria Municipal de Saúde do Estado de São Paulo informou que, nos primeiros quatro meses de 2023, mais de 210 notificações de casos suspeitos de intoxicação por canabinoides sintéticos foram registrados.

Clique aqui e assine

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA