Pedagogo acusado de assédio alega complô em denúncias de alunas

160
Clique aqui e assine

O pedagogo acusado de assédio em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), afirmou que é vítima de uma armação. Segundo ele, as alunas realizaram um complô.

Em entrevista a reportagem da Rede Massa, o pedagogo de 56 anos relatou que, desde as denúncias das alunas, se sente agredido: “Estou sofrendo linchamento verbal, moral e profissional”.

Conforme o acusado, o motivo do complô entre as estudantes seria as cobranças de frequências nas aulas e um boletim de ocorrência contra outra pedagoga.

“Eu passei a denunciar as irregularidades de uma pedagoga que é responsável por essa aluna. Aí teve uma reunião na sala da diretora e ela me agrediu verbalmente, aos berros, e me chamou de ‘Preto ridículo’”,

conta o pedagogo.
Na sequência, o homem registrou boletim de ocorrência contra a pedagoga e mostrou para a direção do colégio. Depois, de acordo com o acusado, a pedagoga chamou a aluna para “montar toda essa questão de assédio” por raiva dele.

“Nunca houve assédio sexual. Trabalho há 18 anos na Secretaria de Educação e nós temos a orientação de não tocar em aluno”,

diz o pedagogo.
Após as denúncias, o acusado foi afastado da escola e segue trabalhando internamente no setor administrativo da instituição. Ao ser questionado sobre curtidas e mensagens, o pedagogo afirmou que fez “sem maldade nenhuma”:

“Com relação as curtidas e o que eu escrevi: o primeiro foi um parabéns pelo aniversário e o outro foi aleatório, como faço para todas as pessoas. Você vê os stories e vai no coraçãozinho e aperta”,

explica.
Durante o relato, o pedagogo disse que as denúncias “causaram estranheza”: “Se ocorreu no período da pandemia, porque só agora ela veio dizer que está sofrendo assédio?”.

Gislaine dos Anjos, advogada do acusado, relatou que ele é inocente e que vai provar que o pedagogo não tem relação com os fatos. O profissional afirmou que quer resolver o caso:

“Quero que tudo isso fique esclarecido o mais breve possível. Tenho documentos, tenho provas […] vai ser comprovado que nada disso ocorreu”,

finaliza.
Pedagogo é denunciado por assédio em São José dos Pinhais

O pedagogo foi denunciado por um grupo de alunas por assédio em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

Uma das estudantes disse que sofre o assédio desde que completou 15 anos de idade. O pedagogo, segundo a aluna, a perseguia dentro do colégio, mandava mensagens nas redes sociais e comentava nas fotos dela.

A estudante afirmou que percebeu que a ação foi longe demais quando houve contato físico: “Foi um sentimento de medo, porque eu não sabia até qual ponto ele ia chegar. Quando ele pegou na minha perna, eu falei ‘chega’”.

Laura prestou boletim de ocorrência e publicou um vídeo denunciando o caso nas redes sociais. Com a grande repercussão na web, a publicação fez cinco estudantes de outro colégio se manifestarem — o pedagogo havia as assediado também.

Clique aqui e assine

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA